sábado, 28 de março de 2015

considerações de uma madrugada.











Considerações de uma madrugada.

Uma madrugada destas acordei e não consegui mais dormir, decidi então escrever o que estava me inquietando, na esperança de mais tarde complementar, pode ser que as frases abaixo pareçam num primeiro momento desconexas, mas naquele momento fizeram todo o sentido e hoje ao revisá-las achei por bem compartilhar assim mesmo.

Quem valoriza sua renúncia pessoal no reino de Deus, ainda não compreendeu o preço que foi pago por sua vida.

Quem se perde em cálculos sobre o valor da torre, ainda não compreendeu o preço de seu resgate.

Um Deus que requer 70x7 vezes perdão, em um dia, dos homens, não poderia estar disposto a fazer ele mesmo menos do que isto.

A alvura de nossas vestes deve-se ao alvejante, o sangue do cordeiro, não à nossa própria ação. Nenhuma veste se alveja a sí mesma, ela sofre a ação do alvejante e do lavandeiro.

Que espírito é este que nos faz achar que temos o direito de medir a compreensão espiritual dos outros por seu “desempenho” diário, como se nós houvéssemos entendido e alcançado algo mais, quando nós mesmos não passamos nos nossos crivos. Hipocrisia deslavada, vendo ciscos nos olhos de outros e não atentando para suas próprias traves diante de seus olhos.

Nos julgamos portadores de maior revelação e acabamos por tornar-nos indesejáveis. Quando os crentes inicialmente eram conhecidos por seu amor intenso por todos.

Tira a trave do teu olho e então verá bem .... orgulho. Que mania besta é esta de medir a vida de outros, quem nos deu esta régua?

Afirmações do tipo, ele ainda não viu , ou não conhece o reino de Deus, demonstram nossa arrogância e presunção, pois normalmente nos afastam dos demais, normalmente usamos isto para nos afastar ao invés de nos esforçarmos em dobro para alcançar os corações com a graça de Deus.

Quem és que julgas o próximo? Dizes não matarás e matas? Matas com comparações, requerimentos, críticas, julgamentos, indiferença,...

Quem é que te faz sobressair? Que tens que não recebestes?

Conhecimento do bem e do mal é conhecimento contra Deus.

O nosso acervo de miséria é imensurável.

Estará Deus tão preocupado com certo e errado quanto nós? (refiro-me às muitas listas que costumamos fazer, seguir, e tentar impor sobre outros).

A carne , mesmo travestida de carne piedosa, e esta  é ainda pior, por mais que nos pareça simpática, é abominação ao Senhor, nosso esforço carnal só nos afasta ainda mais do altíssimo. Carne e sangue não herdam o reino de Deus.

Em mim isto é na minha carne não habita bem algum. Ainda não compreendemos o desespero de Paulo em Rm 7, pensamos que há algo de virtude em nós mesmos. Se vivermos chafurdados na lama do pecado, é sinal de que não compreendemos ainda o amor de Deus, mas o que nos tira da lama é ele, não nossa disposição, nem mesmo arrependimento. É a bondade de Deus que nos conduz ao arrependimento.


É inimaginável os danos causados por posturas como algumas destas citadas, não admira de que muitos tenham ojeriza dos crentes, ninguém gosta de estar sob continuo julgamento, aliás o filho do homem não veio para julgar o mundo, mas para salvar o que se havia perdido.



2 comentários:

  1. Dag muito bom! penso que temos que lidar com essas situações dia-a-dia! Precisamos desesperadamente do Cristo em nossas vidas! Para não sermos hipócritas de acharmos que temos a revelação e por isso medirmos os outros com nossa régua espiritual, dizendo este está fora, este está dentro... Pior ainda é quando nos achamos no direito de estreitarmos a porta aos outros, e em momento algum, paramos para pensar o quanto o Senhor tem tido misericórdia de nós.

    ResponderExcluir
  2. é verdade Juliano, sem a misericórdia esatríamos todos consumidos!!!

    ResponderExcluir