segunda-feira, 29 de junho de 2015

não basta destruir o que sobra, é necessário construir o que falta.

Lí esta frase certa vez há muitos anos atrás, me causou um grande impacto então. Estes dias me lembrei dela e tem me impactado novamente.
Temos muita facilidade em destruir aquilo que pensamos estar sobrando, em nosso afã reformista lançamos mãos de nossas marretas e picaretas e saimos pelo mundo à procura de muros e paredes que nos estejam sufocando, certos de que assim que os derrubarmos tudo será diferente. Em nenhum momento nos perguntamos porque estes muros e paredes foram construídos inicialmente, se tinham algum propósito inicial... Apenas os identificamos e quebramos.
Acontece que muitas das vezes nossa inconsequência destroi coisas que necessitam de uma reposição imediata, muitas vezes até anterior, e só descobrimos isto tarde demais, quando já não há conserto e as pessoas que necessitavam daquilo que quebramos se sentem perdidas e desamparadas. Por vezes até se põem imediatamente a reconstruir o que foi derrubado...
Outra coisa notável é a nossa lentidão em construir o que falta, afinal é preciso muito maior empenho e esforço para construir do que para destruir, construir demanda visão, projeto, planejamento, recursos, cooperação, e muitas outras coisas...
Antes de se apressar em pegar sua marreta, picareta e outros afins, pense bem e calcule se está disposto e se tem condições de edificar algo melhor do que o que você se propõem a destruir.