domingo, 27 de abril de 2014

Palavra não foi feita para dividir ninguém



Palavra não foi feita para dividir ninguém
Palavra é uma ponte onde o amor vai e vem...


Palavra não foi feita para dominar
Destino da palavra é dialogar
Palavra não foi feita para opressão
Destino da palavra é a união.


Palavra não foi feita para vaidade
Destino da palavra é eternidade
Palavra não foi feita prá cair no chão
Destino da palavra é o coração


Palavra não foi feita para semear
A dúvida, a tristeza e o mal estar
Destino da palavra é a construção
De um mundo mais feliz e mais irmão.

Dia destes conversava com um irmão sobre situações da vida e conflitos entre pessoas e na conversa por várias vezes o mesmo utilizava o argumento; porque isto não está na Palavra, eu sou pela Palavra, se não for pela Palavra (referindo-se à Bíblia) e outras afirmações semelhantes, que eu mesmo já me utilizei inúmeras vezes, quando queria fazer valer a minha visão sobre os fatos ocorridos em minha vida, ou na vida de outros. 

Após a conversa, saí de carro e enquanto dirigia, veio-me à lembrança esta música acima, que se não me engano ouvira uma única vez em uma formatura a mais de trinta anos, a simplicidade dos versos e a utilidade das palavras me marcaram tão profundamente, que até hoje me lembro delas... pena que no correr dos anos, muitas e muitas vezes utilizei as palavras exatamente da forma que os versos acima dizem para não usar...

Bem disse Tiago em sua epístola, a língua é um pequeno órgão que se gaba de grandes feitos... ela tem poder de trazer vida e também de trazer morte, é preciso utilizá-la com sabedoria.

Voltando aos meus pensamentos naquela tarde, me encontrei falando comigo mesmo, às vezes faço isto, e até gesticulo e mudo expressões faciais, como se estivesse em um diálogo acalorado... e senti em meu íntimo o quanto temos nos utilizado de palavras, e pior da Palavra de Deus, de forma equivocada, buscando argumentos e armas de ataque e de defesa, protegendo-nos de inimigos irreais e atacando pessoas que poderiam ser nossos aliados verdadeiros em nossas aflições e lutas diárias.

Quantas vezes eu já me peguei utilizando o argumento da “Verdade” com interesses e intenções não verdadeiras, hoje pergunto, será que um argumento verdadeiro, utilizado com uma intenção contrária à verdade, continua sendo verdade??? Ou na sua essência já se tornou uma mentira travestida de verdade para me beneficiar???  Quem peca mais contra a verdade: aquele que fragilizado pela sua posição de inferioridade no confronto diz algo que não corresponde à realidade, ou aquele que se vale de sua maior força para obter uma resposta que só interessa à ele mesmo e que prejudica o outro ou aqueles a quem ele ama???

Se o autor ou autora dos versos tem razão no que afirma, quanto temos perdido em nossas vidas utilizando-nos da palavra e da Palavra com os propósitos equivocados??? Semeando contendas, ciúmes, facções, indignação, separando amigos, exaltando as diferenças, bajulações, falsidades, etc...
Paulo o apóstolo disse:

Colossenses

4.6   A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um. 

Efésios

4.29   Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem.

Gálatas
5.15   Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede que não sejais mutuamente destruídos.

No livro de provérbios há mais de cem referências ao uso da língua, faríamos bem em estudarmos sobre isto.

Enfim, há tantas maneiras positivas e afirmativas pelas quais utilizar a palavra, porque insistimos em utilizá-las para prevalecer sobre os outros, para nos justificarmos, para mantermos acesa as discussões inúteis, quão mais proveitoso seria utilizarmos as palavras para reconciliação, perdão, fé, reconhecer nossos próprios erros, falar a verdade em amor, afirmar a verdade, Cristo, e não as nossas interpretações dos fatos... se tivermos o cuidado de utilizar as nossas palavras com sabedoria e graça, certamente inúmeros conflitos serão evitados, afinal, se não há maldizente, cessa a contenda. Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo, dizia Salomão.

Nossos lábios necessitam ser tocados pelas brasas do altar, para que sejam purificados e sejamos sábios ao utilizá-los.

Afinal palavra não foi feita para dividir ninguém...

terça-feira, 22 de abril de 2014

A certeza tem feito os homens loucos ou tolos...


A certeza tem feito os homens loucos ou tolos. Ela destrói os seus corações e eles passam a agir como feras.
Esta frase está logo no início do filme “a conspiração dos lobos” , a frase por si só me despertou a imaginação e o desenrolar do filme explicou o que o autor queria dizer.
Deixando de lado o filme, podemos observar no nosso dia a dia a exatidão desta frase, basta nos lembrarmos das infindáveis discussões dos “sábios” que tem certeza de todas as suas afirmações, normalmente se postam no alto de sua arrogância e desdenham de todos os demais, do  alto se suas certezas ditadores tem oprimido multidões mundo afora, líderes religiosos tem manipulado e destruído incontáveis vidas, cientistas fazem afirmações polêmicas e inovadoras que se tornam absolutas, até que outro venha e o desminta, patriarcas e matriarcas oprimem sua descendência querendo impor suas vontades às gerações futuras,  determinado seus relacionamentos, carreiras, vocações,  afinal quem melhor do que eles para determinar o futuro de seus descendentes???  
A certeza parece trazer consigo uma necessidade impositiva de dominar, sujeitar, oprimir. Afinal num mundo de tantas incertezas, quem tem alguma certeza deve ter seus privilégios.
Em nome da certeza se mata e se morre, travam-se batalhas, constroem-se barreiras e muros sem fim, pois se estou certo, alguém estará errado e tentará me demover de minha certeza. Preciso proteger a minha certeza e nada melhor que uma cerca e uma política intensiva de exclusão e de convencimento, ainda que pela força para manter a minha certeza. Afim de defender suas certezas os homens passam a agir como feras, mostram-se impiedosos, o que de pior existe em seu interior é demonstrado quando se sentem questionados, ameaçados.
A certeza tem adeptos e desafetos, e faz o seu marketing para conquistar novos simpatizantes, cuidado com suas ciladas.
A certeza inibe a busca, impede a curiosidade, destrói a criatividade, sufoca a alma, paralisa o crescimento, gera seguidores cegos, sem crítica, sem vida, deixa a vida apenas em tons sombrios descartando as cores vivas das novas descobertas... destrói assim o coração dos que a detem.
Uma afirmação que me veio à lembrança é de Paulo, o apóstolo, em sua carta aos coríntios: “o saber ensoberbece, o amor edifica. Se alguém julga saber alguma coisa, com efeito, ainda não aprendeu como convém saber”... ICo 8: 3,4. Quão diferente da arrogância dos que “sabem”, é a humildade dos que amam, os resultados de sua ações são diametralmente opostos, e não poderia ser diferente. O amor edifica, constrói, acrescenta, aperfeiçoa, embeleza, deixa as situações mais leves, exala o bom perfume de Cristo. Aliás foram os homens que tinham muitas certezas e respostas para tudo que o crucificaram...
Nossa própria vida neste mundo é absolutamente imprevisível, quem pode afirmar com certeza que estará aqui daqui a alguns instantes... nosso planeta move-se pelo espaço em uma velocidade enorme, a crosta terrestre poderia ser comparada  casca de um ovo,  cheia de trincas  e o interior da terra é composto de elementos em altíssima temperatura... certeza???  de quê???
Despertemos de nossa ilusão, a única certeza absoluta que temos nesta vida é que ela um dia acabará, de que nos adianta tantas confusões e pressões para fazer prevalecer  nossas “certezas”??? 
Fomos chamados a uma vida de fé, de aventura e incertezas, a única certeza nesta vida de fé é de que aquele que nos chamou é fiel e cumprirá todo seu propósito em nossas vidas, até o dia de Cristo, nisto podemos estar absolutamente certos e descansarmos em Seu amor e cuidado.