quarta-feira, 26 de março de 2014

Bem e mal x vida.


Bem e mal x vida.

Em uma conversa com uma irmã veio-me um argumento para o qual ainda não havia atentado, conhecemos bem o relato do Gênesis 3, quando Deus dá a ordem ao homem que não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal e das consequências da desobediência a esta ordem...

Desnecessário rever o assunto, contudo em meio à conversa, atentei para o fato de que ainda hoje, a cada momento nos é dada esta escolha, comer da árvore da vida, ou comer da árvore do conhecimento do bem e do mal. 

Normalmente temos andado a comer da árvore do conhecimento do bem e do mal, e até nos orgulhamos disto, afinal conhecemos o que é certo e o que é errado, e à princípio, acreditamos estar fazendo o que é certo, acontece que conhecer o bem e o mal é decorrência da desobediência e portanto é conhecimento contra Deus. Na verdade todo o conhecimento do bem e do mal é conhecimento contra Deus, o projeto inicial era que comêssemos da árvore da vida e tudo o que necessitássemos viria daí, a vida preencheria todas as nossas lacunas e nos daria plenitude, afinal a vida é o próprio Deus, sendo Deus pleno, seríamos também plenos. Afinal o homem é o que ele come, como diz o ditado...

O Cristo disse “quem de mim se alimenta por mim viverá “ Jo 6;57, cabe-nos uma decisão diária, nos alimentaremos do conhecimento do bem e do mal, ou da Vida? Nossas decisões serão baseadas no conhecimento do bem e do mal, ou do nosso relacionamento com a vida??? Continuaremos a caminhar por tentativa e erro, ou ouviremos a voz do bom pastor??? Nossa vocação e profissão serão escolhidas pela possibilidade de ganhos e projeção social, ou pelo conhecimento de nosso chamamento??? 

Bem e mal, certo e errado, lucros e perdas, vantagens e desvantagens, prós e contras, bom e ruim, cara ou coroa, custos e benefícios etc... são todos variações de um mesmo tema, o homem buscando meios de seguir sua vida de forma independente de Deus, traçar o seu caminho sem necessitar depender de alguém além de si mesmo.

Em outra ocasião conversando com outro irmão acerca de decisões na vida profissional, levantávamos várias suposições até que me dei conta de que na verdade tínhamos duas vertentes a seguir, uma, levantar todas as variáveis que conhecíamos e fazer uma decisão administrativa, baseados em nosso conhecimento e experiência (bem e mal), outra, ouvir a voz do bom pastor e seguir em frente, ainda que fosse a alternativa menos provável aos nossos olhos... como Administrador de empresas, fui treinado a fazer análises de valor comparativo e confesso, acho melhor fazer assim do que lançar uma moeda e decidir na sorte. Contudo a proposta do Senhor não é uma nem outra, a proposta dEle é que nos alimentemos dEle e assim viveremos, à partir dEle. É, para isto será necessário uma completa reeducação, pois afinal de contas  estamos muito mal acostumados a agirmos com base na escolha de Adão.

Fica uma pergunta prática, como podemos hoje nos alimentar de Cristo??? Como em meio a tantas vozes (inclusive falando em Seu nome), ouvirmos a voz de Cristo???

sexta-feira, 14 de março de 2014

A maneira que você vive revela como você vê a Deus.

A maneira que você vive revela como você vê a Deus.

Mateus
25.15   A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua própria capacidade; e, então, partiu.
25.16   O que recebera cinco talentos saiu imediatamente a negociar com eles e ganhou outros cinco.
25.20   Então, aproximando-se o que recebera cinco talentos, entregou outros cinco, dizendo: Senhor, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que ganhei.
25.22   E, aproximando-se também o que recebera dois talentos, disse: Senhor, dois talentos me confiaste; aqui tens outros dois que ganhei.
25.24   Chegando, por fim, o que recebera um talento, disse: Senhor, sabendo que és homem severo, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste,
25.25   receoso, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu.
25.28   Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem dez.

Embora a história seja acerca de talentos e aplicações o assunto principal aqui abordado é a forma como vemos, e nos relacionamos com Deus.

Os dois primeiros servos viram a oportunidade que lhes foi dada e se dispuseram a multiplicar os talentos que lhes foram confiados, observem que o Senhor lhes deu na medida em que sabia que cada um era capaz de cuidar, cinco, dois e um talento.

No relato não se percebe nenhum tipo de cobrança ou recomendação específica sobre a utilização do talento, nem da remuneração esperada.

O que fez toda a diferença no resultado? A forma que cada um via seu Senhor, os dois primeiros viram a oportunidade e a confiança deposita neles e se dispuseram a multiplicar os talentos, viam seu Senhor como alguém bom e justo. O terceiro tinha uma visão de que seu Senhor era severo e injusto e agiu por medo, enterrando o talento.

Este é o ponto central desta história, como vemos nosso Senhor??? As nossas ações e reações demonstrarão claramente isto. Um relacionamento estabelecido sobre receios e medos certamente não produzirá bons frutos. 

Vemos a Deus como alguém essencialmente bom ou como um Senhor severo e injusto??? A resposta a esta pergunta determinará toda a nossa conduta na vida. e a maneira que conduzirmos nossa vida revelará exatamente o que cremos.